quarta-feira, 29 de abril de 2009

As voltas da vida


escrevinhando...como por vezes a vida da voltas contrarias aquelas que nós nunca pensávamos que seria possível.
Tanto tempo sem amor de pai e agora consegues ter três amores parecidos com esses.Filhas desejadas que nunca vieram ao mundo,e a quem deverias ter agradado não agradas-te e desses pais emprestados conseguis-te ser tu mesma e teres amor sem o pedires sem o teres merecido por ordem da vida.
Hoje sinto-me assim triste,sem dor...apenas triste.
Dou voltas e mais voltas e não consigo acreditar que tudo vai ser assim....
A quem acredita em milagres,eu nunca fui dada muito a isso.
Tenho tudo e sinto que me falta o mais importante...porque deixei de gostar de ti?Porque assim o fizes-te para acontecer...tantas vezes te falei e adverti sobre tal...e assim foi morrendo as poucos.E com este feitio difícil que tenho quando as coisas morrem em mim raramente tem retorno.O mal é eu advertir para que estou tentando segurar as pontas e as pessoas não ligarem...quando deixo de falar e começo sozinha tentando segurar....e quando deixo de querer segurar....mau,muito mau mesmo,já tudo deixou de ter importância para mim
E eu cansei de te olhar...vivemos bem e com camaradagem...mas....e o resto.....acabou!
E como vai ser daqui para a frente?Vamos continuar assim mais metade de uma vida?
Não sei por quanto tempo me vou acomodar...mas tudo vai acabar por acabar um dia,convence-te disso!
Entretanto nesta luta interior que tenho de ultrapassar continuo agarrando bocadinhos de amor aqui e ali para me puder endireitar nesta estrada que percorro com uma certa dificuldade
Mas não vou chorar se tu quiseres partir....Eu já me ausentei á tanto tempo,que tu nem desta conta...imagina como tudo foi diferente do que um dia sonhei...
Nunca me conseguis-te levar ás estrelas....mas disso não foste o culpado...nunca te amei de verdade como deveria....meu coração ficou preso noutra galáxia á tanto tempo......

domingo, 26 de abril de 2009

Não te encontro


escrevinhando...e aos poucos morres em mim...mesmo sem vontade que isso não aconteça a recordação deixa de ser dolorosa e passa aos poucos a ser uma breve lembrança de há tão pouco tempo atrás.
A beleza de ti começa a desaparecer em mim e socorro-me da foto que tenho de ti...
Como gostaria de te ter aqui comigo...
Nesta cidade pequena que de enorme me pareça quando te procuro com o olhar,no meio de multidão,no meio dos carros que circulam e não te encontro jamais...
E fico como se num coma me encontrasse sem ti...sem sentir...sem me sentir...sem te sentir....
Quando no escuro da noite me perco olhando a lua e na luz ofuscante do dia me deixo levar pela beleza do mar...caem lágrimas de tristeza por te ter perdido...sem te ter encontrado totalmente...
e é essa noção da realidade que me deixa triste...num estado de estar sem explicação ao certo ...como de um coma se tratasse...em que ouves, sentes,vês...mas não te expressas,não te moves,não te comunicas...
E assim me deixo ficar...sobrevoando neste espaço...esperando....me ausentando....de mim.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Não chores por mim


escrevinhando...sem te querer magoar,em te querer dar falsas esperanças...torno a voltar a por em mim ,aquilo que por mais que eu tire não me vai fazer eu me desprender de ti,apesar de eu sentir á tantos anos que não te pertenço.Nunca te pertenci...mas não tens culpa disso...perdoa-me.
Apenas te posso pedir perdão,por o que cometi o erro de fazer e nunca tive coragem de terminar...perdoa-me.
Não chores,não sou merecedora de tua tristeza...se é que és triste....
Sinto-me cansada,tão cansada e exausta,desta luta constante de mim contra mim propia...dum querer,sem querer...dum existir apenas por ter de existir,por ter algo que me prende a esta vida que vivo em constante contradição...não não tens culpa...apenas eu por esta covardia em mim sei lá o que lhe chamar....
Frustração de não poder me elevar aos céus e gritar com todas as forças do mundo que me quero desprender de ti...sem culpas,sem medos,sem ressentimentos...não,não posso...eu sei tão bem q não posso...e isso me faz corroer esta alma viajante em seu reino triste e abandonado por mim á tanto tempo.
Teus tenros anos me fazem anular,castrar...mas não te saberia não ter ,por breves que fossem os momentos...
Já passei pelo mesmo á tantos anos atrás,que não te quereria ver na mesma situação,assim por assim dizer anulou-me em função de ti...
E a ti não te quero ver....não me olhes,deixa-me solta,deixa-me livre para sofrer em silencio dentro de mim....perdoa-me não tens culpa do que te estou a fazer passar....perdoa-me...mas não chores por mim....
Eu não sou tua......nunca o fui.....o meu grande Amor vagueia por aí sem saber de mim.....